Pesquisa:
2
03.12.2012
Cidadania
PEC 231/95 urgente!
Blog 40 Horas
Arte Jaws Digital

Se a maioria dos Deputados em Brasilia só trabalha três dias por semana (e muitos são empresários), por que não podem ceder um pouco e liberar 4 horas por semana para os trabalhadores? 

Por
Maria Aparecida de Souza

1
30.11.2012
Cidadania
Os barões não querem aprovar!
Blog 40 Horas
Arte Jaws Digital
A PEC 231/95 é como a lei Áurea: os barões não querem aprovar porque na verdade não são eles que trabalham feito escravos de segunda a sábado, ficando somente o domingo para o lazer, os estudos e o convívio social. Enquanto os patrões ficam nos iates e lanchas a semana inteira praticamente.
Por Dilermano
2
09.11.2012
Movimento Sindical
Excesso de Jornada
Blog 40 Horas
Arte Jaws Digital

"Falar sobre trabalho decente nos remete, entre outras coisas, à necessidade de jornada decente. Entre os fatores que nos últimos anos causaram um prejuízo enorme à classe trabalhadora, está o excesso de horas trabalhadas, que além de não permitir novas contratações acaba causando prejuízo à saúde e à convivência familiar dos trabalhadores. Nossa entidade tem sido vigilante nesta questão, pois sempre combateu o excesso de jornada, principalmente a implantação do chamado ‘Banco de Horas’.

Em nosso País, a jornada máxima está descrita como direitos fundamentais em nossa Constituição, que muitas vezes é alterada de forma irregular pela classe patronal, utilizando a ameaça de demissão. Lutar por jornada legal e decente é lutar por direitos à saúde, à educação e ao convívio familiar. Todo ser humano tem direito ao lazer e ao descanso.

Obrigar o trabalhador a cumprir excesso de jornada pode ser comparado a trabalho escravo, de acordo com as resoluções 29 e 105 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que foram ratificadas pelo Brasil por meio dos Decretos nº 41.721, de 25 de junho de 1957, nº 58.822, de 14 de julho de 1966, e artigo 149 do Código Penal com redação determinada pela Lei 10.803/2003".

Por Rodrigo Pereira Melo
diretor de Administração e Finanças do SEAAC de Santos e Região e diretor da Secretaria Social e de Formação Sindical da FEAAC (Federação dos Empregados de Agentes Autônomos do Comércio)

10
06.11.2012
Cidadania
Recado
Blog 40 Horas
Arte Jaws Digital

EU QUERO AS 40 HORAS SEMANAIS! OK?
Por Luis Roberto Bernardo

0
05.11.2012
Cidadania
Ditado popular
Blog 40 Horas
Arte Jaws Digital

Um ditado popular que ilustra bem a situação é: raposa não vende galinha. Os grandes patrões estão muito ligados com aqueles que legislam.

Por José Pereira

1
30.10.2012
Política
Governo aceita corte na jornada de trabalho
Blog 40 Horas
Arte Jaws Digital

João Villaverde, de O Estado de S. Paulo
28 de outubro de 2012 | 22h 55

BRASÍLIA - O governo federal já começa a discutir a possibilidade de permitir a redução da jornada de trabalho do brasileiro para 40 horas por semana.

Assunto considerado tabu até bem pouco tempo atrás, a redução da atual jornada de 44 horas semanais, como estipula desde 1988 a Constituição, passou a ser lembrada nos gabinetes de Brasília como "medida possível" de ser tomada até o fim do governo Dilma Rousseff, em 2014. A ideia é muito popular no mundo sindical.

Os dados do mercado de trabalho apontam para uma realidade mais próxima das 40 horas semanais do que o previsto na Constituição. "O brasileiro já está trabalhando menos, então uma mudança constitucional não provocaria a polêmica que causaria alguns anos atrás", disse ao Estado uma fonte qualificada do governo federal.

Empresários, especialmente da indústria, criticam a bandeira das centrais sindicais pela redução da jornada de trabalho por entenderem que a mudança aumentaria os custos produtivos, uma vez que, com menos horas trabalhadas, seria necessário contratar mais funcionários.

Em 2012, até o mês passado, os 51,5 milhões de trabalhadores formais brasileiros cumpriram jornada de 40,4 horas por semana, em média. Em fevereiro deste ano, a jornada semanal chegou a ser de 39 horas.

De 2003 a 2012, houve uma queda deste indicador, estimado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A série histórica do IBGE começa em março de 2002, portanto uma comparação entre os nove meses de cada ano só é possível a partir de 2003.

Acordos. Em média, os trabalhadores brasileiros cumpriram jornada de 41,2 horas por semana entre janeiro e setembro de 2003. No ano passado, o indicador foi de 40,6 horas por semana, em igual período. Segundo José Silvestre, diretor de relações do trabalho do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), a queda da jornada ocorreu por dois fatores: os ganhos crescentes de produtividade que permitiram, por sua vez, acordos coletivos em diversas categorias que reduzem a jornada.

Dois dos maiores sindicatos do Brasil - dos metalúrgicos do ABC, que representa 112 mil trabalhadores, e dos metalúrgicos de São Paulo, que representa 430 mil trabalhadores - cumprem jornada de, no máximo, 40 horas semanais há quase dez anos.

Com os ganhos de produtividade por meio da maturação dos investimentos realizados nos últimos anos, a indústria de transformação tem reduzido naturalmente a jornada de seus operários, entende Silvestre, para quem a ação sindical é decisiva para "acelerar" este processo. Categorias como enfermeiros já cumprem jornadas inferiores, de 38 horas por semana e, em alguns casos, de 36 horas por semana.

Desafio. Para o secretário executivo do Ministério do Trabalho, Marcelo Aguiar, o grande desafio do governo será manter essa redução da jornada num cenário onde o ritmo dos avanços deve ser menor do que o anterior. "Vivemos um período onde a taxa de desemprego despencou, ao mesmo tempo em que o rendimento tem aumentado em todas as categorias, e a jornada tem caído. O desafio, agora, é manter toda essa engrenagem funcionando", afirmou Aguiar.

Uma mudança constitucional, fixando um novo teto de jornada semanal de trabalho, aceleraria o movimento de redução do tempo de trabalho em categorias e regiões que ainda contam com jornadas superiores a 40 horas por semana. Especialistas apontam que, entre os setores, o mais "crônico" seria a construção civil, onde os operários chegam a cumprir jornadas superiores ao teto constitucional de 44 horas por semana.

Entre as capitais pesquisadas pelo IBGE, três apresentaram no mês passado os resultados mais distantes: São Paulo (SP), com média de 42,3 horas por semana, Rio de Janeiro (RJ), com 42,2 horas por semana, e Porto Alegre (RS), com 42 horas por semana.

 

Mais resultados: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43